quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Paradas de ônibus ganharão placas indicativas das linhas em Porto Alegre

29/10/2014 - Zero Hora - Porto Alegre

Mais de dois anos depois de um coletivo de publicitários ter dado a ideia e adesivado paradas de ônibus com os nomes das linhas que passam por elas, a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) dará início à instalação de placas com o mesmo objetivo em Porto Alegre. A partir de quinta-feira, a Capital começa a receber a sinalização que tornará mais fácil a vida dos usuários do transporte público.


As primeiras placas serão colocadas às 11h na Avenida Cristóvão Colombo, próximo à Avenida Benjamin Constant. Para avançar pela cidade, o processo será longo, já que há mais de 5,6 mil pontos de parada. A prioridade será dada a vias como a própria Cristóvão Colombo, Plínio Brasil Milano, 24 de Outubro e Erico Verissimo. Depois, o projeto seguirá pelos bairros.

Três tipos diferentes de placas serão instalados. Paradas comuns contarão com duas alternativas de modelos, uma de 40cm por 60cm e outra de 60cm por 80cm, com os nomes das linhas. Já as chamadas paradas seguras contarão com um material de dimensões de 90cm por 110cm. Além dos nomes das linhas, as placas das paradas seguras contarão com o itinerário e o primeiro e o último horário dos ônibus.

Shoot the Shit celebra a concretização da ideia

Contatado via Facebook, Gabriel Gomes, um dos integrantes do coletivo Shoot the Shit, comemorou aconcretização da ideia: "iraaaaaado" , escreveu. Gomes e os também publicitários Giovani Groff e Luciano Braga haviam percebido a dificuldade dos usuários de ônibus ao chegarem a paradas da Capital e não saberem que linhas passavam pelos locais. O projeto de adesivar as paradas se chamou "Que ônibus passa aqui?", a pergunta costumeira de quem quer pegar um coletivo e não encontra informação alguma no ponto.

Braga também comemorou a notícia. "Que massa", disse ele, ao receber o telefonema de Zero Hora para informar sobre a decisão da EPTC.

— Fico feliz em ver que estão tomando uma atitude, achei até que iriam demorar mais — comentou.

O publicitário lembra que no final de 2012 as reuniões com a EPTC deixaram de ocorrer. Segundo Braga, o órgão de trânsito parou de responder aos e-mails depois de definir que os adesivos seriam muito vulneráveis ao vandalismo. Em orçamento feito pelo Shoot the Shit, cada adesivo custaria cerca de R$ 1, o que possibilitaria colá-los em todas as paradas de Porto Alegre por menos de R$ 6 mil.

Recentemente, o "Que ônibus passa aqui?" ganhou um concurso do Social Good Brasil e é finalista em outro, do jornal britânico The Guardian, informou Gomes.

EPTC diz que licitação não vai alterar informações

O diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari, saudou a iniciativa dos publicitários. Em reuniões com o Shoot the Shit, até questões técnicas foram definidas.

— A partir daquela experiência, que foi muito positiva, uma equipe começou a buscar uma sinalização que fosse mais duradoura, mais difícil de ser vandalizada — afirmou Cappellari.O diretor-presidente garante que a sinalização não sofrerá mudanças com a licitação dos ônibus ou a operação do BRT (bus rapid transit). Alterações em linhas e itinerários estão previstas para os extremos da rede de transporte. Quanto ao custo para instalar todas as placas, Cappellari deverá se reunir nesta terça-feira com o prefeito José Fortunati para prever valores para 2015. Uma vantagem é que o material utilizado será o mesmo das placas de trânsito já existentes na cidade, facilitando a instalação e substituição, quando necessário, da nova sinalização com as informações das linhas de ônibus que passam nas paradas da Capital.

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Corredor da Padre Cacique, em Porto Alegre, será liberado em novembro

21/10/2014 - Correio do Povo - Porto Alegre

O corredor de ônibus da avenida Padre Cacique deve ser liberado para o trânsito até o dia 20 de novembro pela Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC). A previsão foi dada pela Secretaria Municipal de Obras e Viação (Smov). O trabalho de substituição de 47 placas de concreto do corredor que apresentaram problemas foi concluído na semana passada.

Cerca de 7% do pavimento, em 2 quilômetros da via, foram corrigidos pelo consórcio formado pelas empresas Toniolo e Sultepa. A obra foi reiniciada no dia 11 de agosto com o prazo de término previsto para dois meses e não teve custo adicional para a prefeitura de Porto Alegre. "Os defeitos não trariam riscos, mas como o corredor é novo queremos ele em perfeitas condições", afirma o diretor da Divisão de Obras e Projetos Especiais da Smov, engenheiro José Carlos Keim.

De acordo com o especialista, as placas de concreto têm um "tempo de cura", (secagem do cimento) que leva em média 30 dias e resulta na resistência do material. "O concreto é mais forte do que o asfalto, mas necessita desse tempo para secar totalmente, antes de ser liberado ao trânsito de veículos pesados", explica.

O engenheiro informou que enquanto não transcorre esse período de espera, a secretaria realiza alguns reparos na via, como a limpeza dos canteiros e acabamentos no meio fio. Só depois disso q obra será entregue para a responsabilidade da EPTC para a liberação do trecho.

A necessidade da correção do pavimento foi constatada durante vistoria da Smov em pontos localizados entre os viadutos Dom Pedro I e Abdias do Nascimento, na zona Norte de Porto Alegre. De acordo com o engenheiro, o defeito no piso ocorreu porque os operários não obedeceram o prazo correto para serrar as juntas das placas e fazer os devidos encaixes.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

BRT na avenida João Pessoa, em Porto Alegre, ficará pronto só em 2015

20/10/2014 - Jornal do Comércio - RS

A construção dos corredores do sistema BRT na Capital Porto Alegre está quase concluída nas avenidas Protásio Alves e Bento Gonçalves. A previsão de finalização da substituição do pavimento asfáltico destas duas vias é no final deste ano. Já o corredor da avenida João Pessoa deve ser concluído somente em junho de 2015. Atualmente, a obra está parada devido à análise de um aditivo no contrato que envolve a necessidade de mais itens de sinalização. O total de investimentos no sistema BRT nas três avenidas soma R$ 246,7 milhões. A intervenção, que começou em 2012, tinha previsão inicial de ser finalizada no ano passado.

Em junho deste ano, a reportagem do Jornal do Comércio percorreu todas estas obras para observar o andamento e comparar a execução com os cronogramas apresentados pela prefeitura. Quatro meses depois, a visita foi repetida. Em relação aos BRTs, só não foi observada evolução no corredor da João Pessoa, que está com a execução parada desde a primeira matéria, publicada na edição do dia 16 de junho.

De acordo com o engenheiro Rogério Baú, coordenador técnico das obras de mobilidade urbana da Secretaria Municipal de Gestão, apenas 55% da obra foi feita até o momento, sendo a mais atrasada. As intervenções ainda precisam ser feitas na elevada da João Pessoa e entre as avenidas Venâncio Aires e Ipiranga. O corredor da avenida terá aproximadamente 3,2 km de extensão e 29 estações de embarque.

A pavimentação mais avançada é a da avenida Bento Gonçalves, que apresenta 97% de obra concluída. De acordo com Baú, faltam apenas alguns pontos próximos aos canteiros das vias e a execução embaixo do viaduto da Perimetral. A conclusão destes trechos deve estar ocorrer até o final do ano. A intervenção inclui a qualificação de 5,9 km de corredores de ônibus, no trecho entre as avenidas Antônio de Carvalho e Princesa Isabel, com um total de 12 estações. A previsão inicial de conclusão deste trecho era junho de 2013. Entretanto, após fechar o contrato com as empresas construtoras, foi ampliado para junho deste ano. O custo da obra é de R$ 13,9 milhões.

Na Protásio Alves, a empresa construtora está atualmente realizando reparos no corredor, que apresentou fissuras no pavimento. "Temos 92% de obra executada. Após os reparos feitos pela empresa, concluiremos os cruzamentos, que são os pontos que foram deixados para o final justamente porque impactam no fluxo de trânsito da região", explica o engenheiro. Segundo ele, o trabalho será feito de maneira intercalada, com o auxílio da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC). A conclusão também deve acontecer até o final de 2014. A obra se refere à construção de 7 km de corredores de pavimento de concreto e mais a implantação do terminal na avenida Manoel Elias. A construção fica entre as ruas Saturnino de Brito e Sarmento Leite.

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Trensurb recebe ministro das cidades e prefeitos para anúncio de projetos de mobilidade

19/09/2014 - Trensurb

O ministro das Cidades, Gilberto Occhi, esteve na sede da Trensurb, em Porto Alegre, nesta quinta-feira (18), para detalhar as seleções para obras de mobilidade para os prefeitos de Santa Maria, Cezar Schirmer, e Porto Alegre, José Fortunati. A reunião aconteceu na sala da Presidência da empresa. O resultado da seleção de obras de mobilidade urbana foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira, por meio das portarias 566 e 567.   
  
Em Santa Maria, as obras do Corredor de Ônibus Troncal Leste-Oeste e melhoras na gestão do sistema de transporte totalizam R$ 218,55 milhões do Orçamento Geral da União (OGU). Para o município de Porto Alegre, foi destinado R$ 1,5 milhão do Orçamento Geral da União (OGU) para estudos e projetos de viabilidade – Perimetral Metropolitana (R$ 1 milhão) e duplicação da Avenida Castelo Branco/ Entrada de Porto Alegre (R$ 500mil). Os empreendimentos fazem parte do Pacto da Mobilidade Urbana, lançado pelo Governo Federal em junho de 2013, que destinou R$ 50 bilhões para o setor de mobilidade. "Estamos trabalhando para viabilizar investimentos em mobilidade urbana em todo o Brasil e, especialmente no caso de hoje, no Rio Grande do Sul", afirmou o ministro Occhi.

Estiveram também presentes no anúncio dos investimentos do ministério das Cidades, o secretário de Planejamento, Gestão e Participação Cidadã do Governo do Estado, João Mota; o secretário municipal de Gestão da Capital, Urbano Schmitt; o secretário municipal dos Transportes e presidente da Empresa Pública de Transporte e Circulação, Vanderlei Capellari, entre outras autoridades.

Vistoria nos novos trens da Trensurb

Gilberto Occhi aproveitou a vinda ao Rio Grande do Sul para conhecer os novos trens em processo de aquisição pela Trensurb e o Centro de Controle Operacional do metrô, que passa por uma modernização como parte das obras de expansão a Novo Hamburgo. Sobre os novos trens, afirmou que "na hora em que entramos, já sentimos uma diferença significativa em termos de qualidade, conforto e tecnologia". O ministro acredita que o impacto da aquisição dos veículos tanto para os usuários como para a própria empresa será muito positivo.

O ministro participou, também, do Fórum de Gestores da empresa, quando saudou os presentes e os empregados em geral da empresa. Disse, durante o encontro que ficou com uma excelente impressão da Trensurb. "Parabéns pelo trabalho que vocês estão realizando", congratulou. Falou ainda da importância da Trensurb dentro do eixo de mobilidade urbana do Ministério, o que, segundo ele, fica evidente pelo próprio volume de investimentos da pasta na empresa.

Occhi lembrou que o Rio Grande do Sul tem recebido investimentos importantes do governo federal e que, recentemente, só de recursos do Ministério das Cidades encaminhados para projetos no estado, foram mais de R$ 40 bilhões. "Temos procurado sempre formas de melhorar cada vez mais nossos resultados", afirmou, referindo-se tanto à questão econômico-financeira quanto à operacional. Segundo ele os objetivos de gestores e empregados devem ser guiados pelo seguinte pensamento: "Temos que fazer dessa empresa importante para a população brasileira". Dito isso, o ministro afirmou que, com base no que viu nesta sua visita à Trensurb e a vistoria anterior, acredita que a empresa está desempenhando um bom papel. "Ficamos alegres e orgulhos pelo que está sendo construído", disse. Occhi relatou ainda que após a vistoria feita pela presidenta Dilma Rousseff, ela própria demonstrou estar satisfeita com o trabalho da empresa.


O diretor-presidente Humberto Kasper, por sua vez, afirmou, que era uma grande honra receber o ministro e o ato de anúncio das obras de mobilidade selecionadas no estado. Lembrou investimentos recentes do Ministério e do governo federal na Trensurb e celebrou a "parceria fundamental do Ministério das Cidades e de sua equipe" na execução dos projetos da Trensurb, "nesses quase 30 anos de empresa, nunca havíamos tido tantos investimentos como agora, por exemplo, na compra dos 15 novos trens foram mais de 200 milhões, além da obra de expansão a Novo Hamburgo [R$ 953 milhões] e a implantação do aeromóvel [R$ 37,8 milhões]".

Durante a visita, acompanharam o ministro Occhi, o Secretário Nacional de Mobilidade Urbana, Raphael Rezende Neto; a secretária Nacional de Habitação, Inês da Silva Magalhães, o superintendente regional da Caixa Econômica Federal, Ruben Danilo Pickrodt, o presidente do Conselho Fiscal da Trensurb, Joaquim Alfredo da Cruz Filho e a conselheira Mônica de Oliveira Casartelli; além dos diretores de Operação, Carlos Belolli, de Administração e Finanças, Leonardo Hoff, os superintendentes de Desenvolvimento e Expansão, Ernani Fagundes, e de Desenvolvimento Comercial, Aldir Seifried.

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Obras dos BRTs de Porto Alegre ficam prontas só no fim do ano

16/06/2014 - Jornal do Comercio - RS

A primeira etapa da obra para a implantação do sistema BRT na Capital consiste na substituição do pavimento asfáltico por concreto nos corredores de ônibus, que permitirá maior velocidade ao transporte coletivo. As intervenções, nas avenidas Protásio Alves, Bento Gonçalves e João Pessoa, tiveram início em 2012 e até o momento não foram concluídas. A mais atrasada é a da João Pessoa, que está com apenas 55% da obra pronta. A previsão atual é acabar essa etapa ainda neste ano. Posteriormente, devem ser encaminhados os terminais e as estações dos coletivos. O total de investimentos no sistema BRT nas três avenidas soma R$ 246,7 milhões.

Outra obra que tem enfrentado problemas é a duplicação da avenida Tronco. A intervenção atinge cerca de 1,4 mil famílias que precisarão ser transferidas para outras moradias. Os moradores estão obtendo liminares contra as desapropriações.

Intervenções na Protásio Alves somam 7 km

A obra se refere à construção de 7 km de corredores de pavimento de concreto e mais a implantação do terminal na avenida Manoel Elias. A construção fica entre as ruas Saturnino de Brito e Sarmento Leite. Atualmente, está com 87% do corredores concluídos, faltando apenas o trecho entre a avenida Palmeira e a rótula da Carlos Gomes, além do trecho próximo a rua Barão do Amazonas, em frente ao Colégio Santa Inês. A previsão para a conclusão da intervenção era 15 de junho deste ano.

Obras mais avançadas estão na avenida Bento Gonçalves

A intervenção inclui a qualificação de 5,9 km de corredores de ônibus, no trecho entre as avenidas Antônio de Carvalho e Princesa Isabel, com um total de 12 estações. É o corredor com andamento mais avançado, com 95% da obra concluída. Falta apenas o trecho em frente à Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs). A previsão inicial de conclusão deste trecho era junho de 2013. Entretanto, após fechar o contrato com as empresas construtoras, foi ampliado para junho deste ano. O custo da obra é de R$ 13,9 milhões.

João Pessoa possui apenas 55% das obras concluídas

O corredor da avenida terá aproximadamente 3,2 km de extensão e 29 estações de embarque. O projeto que está sendo executado se refere à qualificação do trecho entre a avenida Bento Gonçalves e a rua Desembargador André da Rocha. Atualmente, esse é o corredor mais atrasado da Capital, com apenas 55% da obra concluída. As intervenções ainda precisam ser feitas na elevada da João Pessoa e entre as avenidas Venâncio Aires e Ipiranga. A previsão inicial de conclusão era dezembro do ano passado. Contudo, na assinatura do contrato com a empresa responsável, a data prevista foi ampliada para setembro deste ano.

Duplicação da avenida Tronco

A duplicação da avenida Tronco, prevista há quatro décadas no plano diretor de Porto Alegre, é uma das principais obras de mobilidade da Capital. Com investimento total de R$ 156 milhões, mais de 1,4 mil famílias precisam ser transferidas para novas habitações, localizadas em um raio de 2 km. Com extensão de 5,3 km, a nova Tronco será uma alternativa viária para o deslocamento à zona Sul, em substituição às avenidas Edvaldo Pereira Paiva e Padre Cacique. Até o momento, somente uma parte da avenida foi ampliada. Algumas casas já foram destruídas para as obras da via, mas o andamento está parado. Os moradores têm conseguido liminares na Justiça contra as desapropriações. Com a ordem de início do Lote 1, que vai da rótula na avenida Icaraí até 100 m da avenida Gastão Mazeron, emitida em maio de 2012, a obra deveria levar 18 meses para ser concluída.